Sexta-feira

É o qu`eu digo...

Bom, está quase a chegar o fim de semana… só preciso encontrar a minha bicicleta para ir para casa!!!

Divirtam-se e sejam felizes.

665af3138359d446d52c1e0280590b7f

Anúncios

Uma espécie de bikepacking…

Pedalada da Semana

O prometido é devido, lá diz o ditado, e assim sendo não restava outra alternativa senão colocar em marcha um desafio que lancei aqui ao pequeno ciclista cá de casa.

Dois dias de aventura no formato: “uma espécie de bikepacking”!!!

Saímos de casa tão cheios de vontade de pedalar que até nos esquecemos do registo fotográfico! Depois de um pré aquecimento de meia dúzia de quilómetros aproveitamos a boleia do comboio para nos levar até Campanhã – Porto onde iniciamos oficialmente esta aventura, no entanto, a ponte Luis I, com o Porto e o rio Douro a adornar o cenário, foi o local escolhido para a foto oficial da jornada. 

Dia 1

41774016_10214687515174390_3157989530334658560_n

Descendo das alturas mais uma paragem para admirar a beleza da cidade do Porto, já tantas vezes observada e registada em foto, mas que nunca cansa… 

41869177_10214687511254292_7232451835263451136_n41777862_10214687509814256_260774205006544896_n

A caminho da Afurada e seguindo a corrente do Douro cruzamos com estes engraçados Segway. O dia estava óptimo para pedaladas, um sol não muito quente e uma brisa que ajudava a controlar a temperatura corporal… e a manter os níveis de bateria no máximo.

41815261_10214687512254317_5662764098870312960_n41856499_10214687511414296_7088380971250089984_n

A capela do Senhor da Pedra é um registo fotográfico obrigatório. Sobre a sua origem já aqui falei.

41776927_10214687520214516_5334280949918072832_n

A deslocação do ar provoca sorrisos, apesar do ar de desconfiança do ciclista que segue nas minhas costas.

41756884_10214687520614526_3406727205458280448_n41827808_10214687511174290_4716247177637134336_n

Quando as imagens nos conduzem a poemas …

MAR PORTUGUÊS
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

41903697_10214687519534499_1623973292631130112_n

Depois da cidade de Espinho as ciclovias foram trocadas pelos passadiços, sob a zona dunar, próximo da linha de costa, onde o ar é perfumado pelo cheiro intenso a maresia…

41833364_10214687513334344_7642556091737309184_n

Nesta aventura, tal como na vida, nem sempre o caminho é fácil… mas uma boa atitude, espírito de sacrifício e alguma resiliência levaram a ultrapassar estes pequenos mas extensos “problemas”.

41853863_10214687520494523_1816758620608528384_n41803742_10214687516574425_6968343339770839040_n

À passagem pela Barrinha de Esmoriz, uma pausa mais demorada para contemplar como a natureza foi generosa neste pedaço de terra…

41946246_10214687519214491_3445197442276917248_n41824759_10214687515374395_8357470715464646656_n41801495_10214687519374495_5781966698512908288_n41795532_10214687518254467_8530933535333154816_n41961463_10214687515254392_4285199788749619200_n

Percorrida a fantástica Estrada da Floresta, ou melhor, percorrida a ciclovia que acompanha a Estrada da Floresta, para quem não conhece pode ver aqui, fomos relaxar um pouco junto ao atlântico.

O final da etapa estava bastante mais próxima que a linha do horizonte e entre pedaladas e dois dedos de conversa lá chegamos ao local de pernoita onde uma piscina de água bem fresca nos aguardava para um mergulho. 

Dia 2

Depois de uma noite muito bem dormida por mim e ainda melhor pelo “meu ajudante” , que apagou para o mundo logo após o jantar, iniciamos o dia, ainda o relógio não passava muito das 7 horas da manhã, para um faustoso pequeno almoço.

Continuamos em piso fofo, ciclovia, até à Torreira… e ainda bem que o piso era macio pois o meu companheiro de aventura estava a “estranhar” o seu selim! (riso)

Continuamos nas proximidades de um curso de água – Ria de Aveiro…

41797690_10214687510054262_6579051051704385536_n41836327_10214687509934259_353530341660557312_n41849351_10214687508654227_6266573003891408896_n

Nada como uma vintena de quilómetros para normalizar, novamente, a adaptação ao selim…

Depois da Torreira finda a ciclovia e até S. Jacinto o percurso é feito por estrada, que, apesar de ter pouco tráfego obriga a atenção redobrada.  

O calor começou a apertar e com o termómetro e o conta-quilómetros para lá 30 o ânimo começou a faltar! 

41867102_10214687513534349_8763957471308939264_n

Nada que não pudesse ser resolvido ao balcão de uma pastelaria com a aquisição de “ração de combate” e umas bebidas frescas e com um pequeno período de pausa  na travessia de Ferry Boat de São Jacinto para a Gafanha da Nazaré.

41741401_10214687516414421_5751446927195504640_n41897967_10214687508774230_3710732743085129728_n

Com o sol a pique, a queimar, deixamo-nos seduzir pela frescura da sombra das palmeiras no Jardim Oudinot e aí montamos acampamento para o repasto embalados pelos acordeões de um encontro anual de amigos que ali decorria.

41833316_10214687516734429_2112081125932269568_n41806547_10214687513614351_5046517617100062720_n41764958_10214687512534324_4551817490035900416_n

De volta à estrada, com a temperatura nos 35 graus a vontade de pedalar começava a derreter…

… não faltaram as mensagens de alento…

41841694_10214687512414321_5706885778211078144_n

… nem os condimentos, paisagísticos, para ir temperando a gosto a jornada… 

41913617_10214687508934234_8610928731445264384_n

… mas por momentos o melhor cenário foi mesmo este, desde a esplanada de um café… as nossas bicicletas ali encostadas e o olhar a encantar-se pela elegância das fachadas desta pitoresca cidade.

41767579_10214687518534474_5326995439843540992_n41872892_10214687518334469_3578575388206432256_n

Regressamos a casa, não de barco, mas de comboio, depois de dois dias de aventura e partilha de experiências.

A falta de “treinos” e a centena de quilómetros percorridos fizeram-se sentir, no entanto, a alegria da jornada foi um bálsamo para as dores.

Em breve volto com novas histórias… até lá… Boas Pedaladas.

Daquelas histórias que nos colocam sorrisos nos lábios…

Informativo

Esta história que curiosamente é sobre amizade e bicicleta, mas tantas outras como esta que não se desenvolvem à volta de bicicletas, fazem-me acreditar que ainda existem muitos corações enormes em tenra gente… e trazem-me sorrisos… vale a pena ler.

“Menino de dez anos inventa bicicleta para andar com primo de cadeira de rodas

Uma bicicleta recolhida no lixo e outros ferros velhos ganham nova vida e mudam o dia a dia das duas crianças.
sin-tc3adtulo-2-1-696x464

Texto de Ana Sofia Reis

Lisandro tem 11 anos e Simón tem dez. Além de primos, são os melhores amigos. Durante um longo período de tempo, Lisandro viu-se incapaz de ter algumas brincadeiras. Nasceu com espinha bífida, uma má formação que acontece enquanto o bebé ainda está no útero da mãe e que faz com que não desenvolva completamente a coluna. Andar de bicicleta com o primo, por exemplo, era algo que Lisandro não era capaz de fazer.

Como sempre quis a companhia do primo para as brincadeiras, Simón começou a pesquisar na internet formas de o levar pelas ruas onde moram, em Laboulaye, Córdova, na Argentina. Descobriu um modelo de bicicleta perfeito para ambos, onde o velocípede tinha um assento lateral, uma espécie de sidecar, para transportar outra pessoa. Imprimiu a fotografia e levou-a a um ferreiro. O homem ficou comovido com o pedido, uma vez que já conhecia a amizade entre os rapazes. Aceitou o desafio, mesmo sem certezas se seria capaz de o construir.

“Fiz tudo com ferros velhos. Pedi a bicicleta a um homem do lixo e aproveitei tudo o que consegui. Ainda faltavam algumas coisas, que avó deles foi comprar. Acho que vão aproveitar bastante”, conta o ferreiro, que colocou, ainda, manivelas no assento para Simón não fazer o esforço de pedalar sozinho. “Agora, com a bicicleta, vamos a todo o lado. Não temos limites. Somos capazes de fazer qualquer coisa, desde que nos tenhamos um ao outro”, explica, feliz, Lisandro.”

fonte  |  noticiasmagazine.pt

Andamos por aí a ver coisas bonitas…

É o qu`eu digo...

As férias permitiram sair à redescoberta de caminhos já anteriormente percorridos. Novas pedaladas implicam novos olhares, novas descobertas… O mar, a ria, sol quente, a queimar a pele, boa companhia, excelentes ingredientes para fazerem destes dias algo refrescante para a mente.

Brevemente conto como foram estas aventuras, até lá sigo pedalando em direcção ao futuro.

IMG_1416