Ecopista do ramal de Famalicão, o relato.

Pedalada da Semana

Depois de longas e proveitosas reuniões, eis que o plano ficou definitivamente traçado.

Sexta-feira, 13 de janeiro. Às 08h20 nas bombas.

E assim foi. Minuto menos minuto, três quartos dos aventureiros estavam no local e hora combinados. O outro quarto foi atestar a outras bombas e a outra hora. E o que seria um passeio calmo até à estação de Ermesinde transformou-se num contra-relógio digno dos bons velhos tempos de Cancellara. Ainda que não tivesse havido tempo para o café combinado, o comboio previsto não partiu sem nós os quatro e respetivas companheiras de estrada.

Tal qual um relógio suíço, o comboio deixou-nos em Famalicão à hora marcada. Uma viagem rápida abrilhantada pela boa disposição do revisor da CP.

Um café rápido para quem acordou menos cedo e estava tudo pronto para a aventura. Uma curta subida levou-nos à entrada da ciclovia que liga Famalicão à Póvoa de Varzim. Aquilo que outrora fora uma linha de comboio foi “transformada”, e muito bem, numa ciclovia que ao longo de mais de 25 quilómetros de terra batida nos leva por cantos e recantos de uma beleza sublime. Atravessamos pequenas povoações e pedalamos ao lado de infindáveis campos agrícolas num percurso praticamente plano.

16105934_10209938163603569_1622785781856120342_n16113960_10209938167563668_5210037993059969967_n16105564_10209938152883301_2263432896217373412_n15966222_10209938168883701_3672668974886899664_n15941147_10209938165683621_8272319706358812499_n15977276_10209938152923302_8771597466350844560_n15941361_10209938169283711_1837761200577000879_n

As marcas da linha férrea mantêm-se vivas quer na existência de alguns apeadeiros, quer na manutenção de pequenos troços de linha cravados no solo. As longas retas deste traçado fizeram-nos viajar no tempo e imaginar o prazer que seria fazer este percurso a bordo do comboio.

15940803_10209938153363313_4880556361550120535_n16113956_10209938162483541_1639755402900549940_n15977156_10209938156083381_8220805786098427178_n15965384_10209938165723622_6954846866503543501_n15976970_10209938167963678_3941151089930938717_n16106022_10209938163683571_216027480988290866_n

15966240_10209938155323362_2537178945593741007_n16105484_10209938168483691_7838973775568986211_n15940651_10209938156483391_2781669420841705459_n15977343_10209938154043330_2925243507763989847_n

Apesar da singularidade deste trilho decidimos fazer um desvio para contemplar outra beleza ímpar: as vistas do Monte de S. Félix. Não sendo uma subida imponente, o acesso ao monte cortou um pouco do ritmo e fez uma ou outra mossa, nomeadamente a perda de vestuário (“tenho a certeza que a coloquei na mochila”)… Mas as vistas valeram o sacrifício. Tanto quanto deslumbrante, a paisagem é reveladora do nefasto contributo do homem no desenvolvimento das cidades. O tempo, esse, continuava perfeito.

16106009_10209938167883676_5701817768612261254_n16105967_10209938155243360_5659502404020843386_n15965854_10209938154083331_6617330963601485909_n

A descida do monte foi mais rápida embora mais perigosa. Alguns metros à frente retomamos o trilho da ciclovia e seguimos em direção à Póvoa. Embora mais citadino e com um encanto diferente, o percurso continuava a surpreender.

15941041_10209938168643695_5116757434840463723_n15977172_10209938153323312_197390856325941637_n

Do fim da ciclovia ao Ritz foi um tirinho. O Ritz tinha sido o escolhido depois de uma árdua e complexa pesquisa. Com um ambiente calmo e acolhedor, uma decoração diferente e um serviço cinco estrelas, o Ritz foi, sem sombra de dúvida, a escolha acertada. Contudo, embora tenham sido fatores importantes na avaliação, a principal virtude do Ritz é a sua francesinha em pão alentejano. Sei que as imagens falam por si mas não dizem tudo. O pão é uma excelente escolha, o bife é tenro, as batatas fritas são mesmo batatas e o molho é… enfim, o molho é indescritível. A sua originalidade leva-o muito perto do excelente e do péssimo. O travo a mostarda fica. E, ou se adora ou se detesta. Nós adoramos. E aquilo que seria uma paragem rápida para um almoço ligeiro, prolongou-se por duas horas e o almoço foi tudo menos ligeiro. Regressamos à estrada. E o Metro ali tão perto…

15965451_10209938161323512_2603601101937171465_n15965985_10209938155283361_1102110485759527472_n

Antes de retomar o trilho delineado, ainda passamos pela beira-mar para as fotos da praxe.

16115010_10209938161963528_6596806959498966211_n

Já no trilho decidimos fazer um “pequeno” desvio para recuperar o vestuário perdido que, diga-se, estava precisamente no mesmo sítio onde havia sido deixado… E não era na mochila. O acumular de quilómetros e algumas incursões pela baixa montanha começavam a provocar danos mais visíveis. Mas nada que nos fizesse desviar da meta: chegar à Trofa. E a rolar em pelotão compacto, lá chegamos ao destino. Um encontro imediato de terceiro grau e o comboio logo a seguir. Da Trofa a Ermesinde e de Ermesinde ao Susão. Nove horas depois estávamos de regresso ao ponto de partida. Com mais 70 quilómetros nas pernas, com uma valente francesinha no papo e com a certeza de que são momentos como estes que valem a pena ser vividos entre amigos.

Outras pedaladas/caminhadas virão.

texto  |  paulo figueiredo

fotografia  |  nelson branco

Anúncios

5 thoughts on “Ecopista do ramal de Famalicão, o relato.

  1. Parabéns aos aventureiros de todo-o-terreno no rasto dos trilhos de extintas ferrovias. Já li relatos dessa bela ecopista, e eu que ainda não tive a ousadia de lá testar a versatilidade da bicicleta! A única ocasião que subi ao Monte Félix foi de carro e num cortejo casamenteiro! Num dia claro as vistas são deslumbrantes. Tenho de rever isso.

  2. Vale mesmo a pena a pedalada pelo local e podes sempre continuar pelas ciclovias da marginal atlântica até matosinhos… um excelente percurso para deixar as preocupações, com as “boitures”, de lado.

  3. Sábado passado raptei a bicla do meu rapaz e fui até lá, pedalar na companhia do meu amigo Rui para uma voltinha preparatória da doçaria natalícia. Foi um fantástico passeio, pelas EN’s 13, 306 e 309 até Famalicão, onde pisei pela primeira vez esta belíssima Ecopista, aproveitando o dia ensolarado para revisitar o Monte S. Félix. Depois do repasto, completamos o resto dos trilhos da velha ferrovia, atravessamos a Póvoa, Vila do Conde e regressamos ao Porto bem juntinho ao mar. Passeio a repetir. Fica aqui o link do registo no Strava. Obrigado pelas dicas Nelson.

  4. Essa bela volta estava na minha mente para o dia de ontem, também ela, relacionada com a “receita pós-doçaria natalícia”, no entanto, o S. Pedro não ajudou!!! É sem dúvida um local aprazível para passear de bicicleta. Obrigado Paulo pela referência… aproveito para desejar um excelente ano 2018, com muita saúde para muitas aventuras com e sem bicicleta. Abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s