Sexta-feira

É o qu`eu digo...

Uma semana de trabalho completa, sem feriados, sem folgas, sem férias… deixa marcas no corpo!!! Agora, dois dias de descanso para recarregar baterias.

Um bom fim de semana… divirtam-se! 

59e15b7e323e5de04376eaac7e8a2503

imagem encontrada |  gravillon.net

Anúncios

Ciclovia de 83 quilómetros vai ligar praias do litoral de Coimbra

Informativo

“De Mira à Figueira da Foz, passando por Cantanhede, projecto prevê conexão das vias já existentes.

img_5750

Vai passar a ser possível percorrer todo o litoral do distrito de Coimbra numa ciclovia. A Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC) anunciou nesta terça-feira os planos para ligar Mira, o concelho mais a Norte, à Figueira da Foz, no limite Sul.

O projecto visa fazer a ligação entre as vias já existentes em cada município, com a abertura de um percurso de 83 quilómetros na faixa atlântica. Já há trechos de ciclovia na Praia de Mira e na Figueira da Foz, bem como na Praia da Tocha, no concelho de Cantanhede, mas falta ainda a conexão entre os três sistemas.

Com este projecto fica assegurada uma parte da rota Eurovelo 1, que integra a rede europeia de Ciclovias, faz saber a CIM-RC através de uma nota enviada às redacções. Essa rede é composta “actualmente por 15 rotas cicláveis de longa distância que cruzam o continente Europeu”.”

fonte  | publico.pt

“Ciclista escocês que deu a volta ao mundo em 79 dias quebra recorde”

Informativo

PARIS — O ciclista escocês Mark Beaumont, que completou uma volta ao mundo em 79 dias, quebrou o recorde do Guinness World Record de volta ao mundo mais rápida em uma bicicleta. O objetivo dele foi concretizado um dia antes de seu cronograma, inspirado na aventura clássica do escritor francês Jules Verne, publicada em 1873, “A volta ao mundo em 80 dias”.

Para isso, ele pedalou por 18 horas por dia, marcando uma distância de, aproximadamente, 29 mil quilômetros, e queimou mais de 9 mil calorias a cada 24 horas conforme cruzava pela Polônia, Rússia, Mongólia, China, Austrália e os Estados Unidos. O ponto de partida, e de chegada, foi a cidade de Paris.

“Oficialmente completei a volta ao mundo em 78 dias, 14 horas e 40 minutos”, escreveu Mark no Facebook.

Em um vídeo publicado em sua página no Facebook nesta terça-feira, Mark agradeceu a equipe que lhe ofereceu apoio ao longo da sua jornada.

“Estamos de volta onde começamos, no Arco do Triunfo. Um final intenso. Conseguimos!”, disse o ciclista, ainda um pouco ofegante após a chegada. “Ah, e essa é a minha mãe”, completou, abraçando a senhora ao seu lado que, com um sorriso no rosto, demonstrava orgulho diante do feito de seu filho. “Muito bem, equipe!”, disse Mark.

Na primeira parte, ele partiu da França, atravessou a Rússia e foi de bicicleta até a China. Dali, pegou um avião até uma cidade na costa oeste da Austrália, de onde pedalou para a costa leste. Um avião o levou para a Nova Zelândia, de onde seguiu de bicicleta até Auckland. Depois, um voo o levou para a América do Norte, onde pedalou até a costa leste. Novamente, pegou um avião, voltando para a Europa. Por último, Mark seguiu por Portugal, Espanha e França.

“É literalmente sobre pedalar para o próximo horizonte”, disse o escocês nesta segunda-feira após completar sua jornada sob o Arco do Triunfo, em Paris. “Eu mal andei pelos dois últimos meses e meio”.

Um acidente na Rússia no nono dia, no qual quebrou um dente e machucou seu cotovelo, quase acabou com uma corrida que disse ter lhe levado para uma “profundidade mental” que nunca havia experimentado.

“É apenas a privação do sono. É após semanas e semanas e semanas, são somente as longas, longas horas que você passa na sua cabeça, você sabe, realmente lutando. E você só precisa decidir que nunca vai parar”, disse.Ele completou a jornada em 78 dias, 14 horas e 40 minutos. O recorde anterior era do neozelandês Andrew Nicholson, que em 2015 conseguiu o feito em 123 dias.

O ciclista recebeu dois certificados de recordes mundiais do Guinness World Record – um pelo recorde ao redor do mundo e outro pela maior distância pedalada em um único mês.

xmark-beaumont-5-pagespeed-ic-b0boftagkt

fonte  |  oglobo.globo.com

O Galo de Barcelos e o Caminho de Santiago

Caminho de Santiago

O Galo de Barcelos é uma das imagens de marca de Portugal no mundo, este símbolo do artesanato de uma região é, seguramente, conhecido de todos os portugueses e de muitos turistas que por cá passam, no entanto, a lenda por detrás deste icon nacional, que remonta à época medieval, não é assim tão conhecida… muito menos a sua ligação com o caminho de peregrinação a Santiago! 

Segundo esta lenda, os habitantes do burgo andavam alarmados com um crime e, mais ainda, com o facto de não se ter descoberto o criminoso que o cometera. Certo dia, apareceu um galego que se tornou suspeito. As autoridades resolveram prendê-lo e, apesar dos seus juramentos de inocência, ninguém acreditou. nele. Ninguém acreditava que o galego se dirigisse a S. Tiago de Compostela, em cumprimento de uma promessa, sem que fosse fervoroso devoto do santo que, em Compostela, se venerava, nem de S. Paulo e de Nossa Senhora. Por isso, foi condenado à forca. Antes de ser enforcado, pediu que o levassem à presença do juiz que o condenara. Concedida a autorização, levaram-no à residência do magistrado que, nesse momento, se banqueteava com alguns amigos. O galego voltou a afirmar a sua inocência e, perante a incredulidade dos presentes, apontou para um galo assado que estava sobre a mesa, exclamando: “É tão certo eu estar inocente, como certo é esse galo cantar quando me enforcarem”. Risos e comentários não se fizeram esperar mas, pelo sim pelo não, ninguém tocou no galo. O que parecia impossível tornou-se, porém, realidade! Quando o peregrino estava a ser enforcado, o galo assado ergueu-se na mesa e cantou. Já ninguém duvidava das afirmações de inocência do condenado. O juiz correu à forca e viu, com espanto, o pobre homem de corda ao pescoço. Todavia, o nó lasso impedia o estrangulamento. Imediatamente solto foi mandado em paz. Passados anos voltou a Barcelos e fez erguer o monumento em louvor a S. Tiago e à Virgem.

Esse monumento encontra-se nas imediações da Igreja Matriz de Barcelos, junto ao percurso do caminho para Santiago de Compostela. Depois de conhecerem a lenda impõe-se, na passagem, a devida visita. 

21616437_10212071466494808_7846329734737639625_n

imagem  |  googlemaps

Aqui, o Galo, de crista emproada a convidar a uma visita ao Museu da Olaria.

 

21559003_10212071308570860_4377209681887881698_n

foto  |  nelson branco

Documentário – Blood Road

Let`s look a trailer...

Desengane-se quem pensa que Blood Road é só um documentário sobre bicicletas e sobre o percurso numa qualquer trilha deste planeta.

O filme retrata a viagem de uma atleta de elite, norte americana, em busca do local onde seu pai perdeu a vida, durante a guerra do Vietnam, quando ela tinha apenas 3 anos.

Rebecca Rusch, com o apoio de uma atleta, vietnamita, de topo e uma equipa de campo que as acompanham dando apoio logístico, irão percorrer mais de 1200 milhas ao longo da estrada Ho Chi Minh, a via mais decisiva na guerra entre vietnamitas e norte-americanos, em busca do local onde se despenhou o avião em que seu pai seguia, abatido durante um bombardeamento.

 

mv5botayzgezotutzjfmni00zjmylwizytety2nmmdk1ztljngqxxkeyxkfqcgdeqxvynzi0ntkynzy-_v1_sy1000_cr007071000_al_

Mais de 40 anos passados as marcas da guerra ainda se encontram cravadas na terra e na memória dos sobreviventes, tornando a viagem uma verdadeira montanha russa de emoções, uma jornada onde também os limites físicos são colocados à prova, mesmo para atletas com uma condição física acima da média.

Um documentário cheio de emoção e histórias reais que certamente vai tocar no coração de quem o vir…

 

Os Lírios

Poesia à Segunda

Certa madrugada fria
irei de cabelos soltos
ver como crescem os lírios.

Quero saber como crescem
simples e belos – perfeitos! –
ao abandono dos campos.

Antes que o sol apareça,
neblina rompe neblina
com vestes brancas, irei.

Irei no maior sigilo
para que ninguém perceba
contendo a respiração.

Sobre a terra muito fria
dobrando meus frios joelhos
farei perguntas à terra.

Depois de ouvir-lhe o segredo
deitada por entre os lírios
adormecerei tranquila.

Henriqueta Lisboa