“Mulheres percorrem EN2 de bicicleta para dar visibilidade ao ciclismo feminino”

Informativo

Para celebrar o Dia da Mulher e também o 3.º aniversário da comunidade Fuga Rosa – Women’s Cycling Portugal, 12 mulheres vão percorrer de bicicleta a Estrada Nacional 2 de Chaves até Faro.”

“Doze mulheres vão percorrer de bicicleta a Estrada Nacional 2 (EN2), partindo na sexta-feira de Chaves até Faro, para celebrar o Dia Internacional da Mulher e dar visibilidade ao ciclismo feminino em Portugal.

Mónica Faísca, 40 anos, residente em Lisboa e que trabalha na área do turismo e comunicação, disse à agência Lusa que o objectivo da iniciativa “é mostrar que o ciclismo feminino existe em Portugal, existe em cada vez mais número e está cada vez mais forte”. “Este é o nosso contributo ao ciclismo feminino”, salientou.

Em Portugal, referiu, “ainda há muito caminho para desbravar na luta pelos direitos de igualdade”, nomeadamente também na área do ciclismo. As 12 mulheres querem assinalar a data, do Dia da Mulher e o aniversário da Fuga Rosa, com “um desafio que retratasse o espírito da comunidade”. “E nada melhor do que fazer uma travessia lés a lés de Portugal, para conseguirmos passar por todas as fugas do país”, afirmou Mónica Faísca.

A route 66 portuguesa

A expectativa “muito optimista” desta participante é que o grupo chegue a Faro ao final da tarde, início da noite de sábado. O percurso vai ser feito “sem parar, dia e noite, em modo estafeta de Chaves a Faro, num total de 738,5 quilómetros”.

Na partida simbólica vão estar as 12 mulheres, que irão fazer em conjunto um troço de cerca de 20 quilómetros e depois o grupo separa-se. “Vamos fazer segmentos entre 40 a 50 quilómetros cada uma e passamos o testemunho à outra que segue caminho sempre rumo ao sul. Vai haver sempre uma fuga em estrada a passar o testemunho à outra, dia e noite até Faro”, explicou.

A EN2 está, segundo Mónica Faísca, na bucket list de qualquer ciclista. “Até porque é a nossa route 66”, frisou. A ciclista disse ainda que a travessia da EN2permite ver um “país lindo de morrer” e possibilita que, ao longo do trajecto, outras mulheres se juntem ao grupo para o acompanhar durante determinado troço. “É um fenómeno que nos deixa comovidas. Vamos, de alguma forma, juntarmo-nos umas com as outras em determinada parte do percurso e fazer um troço juntas”, referiu.

mapa-568x1024

fonte  | www.publico.pt

 

Anúncios

“Federação Britânica de Ciclismo veta atrizes de filmes porno”

Informativo

img_920x5182019_03_08_00_55_22_1514952

“Nem de propósito. No Dia Internacional da Mulher, que se comemora hoje, chega-nos uma notícia no mínimo original e que pode ser para muitos considerada sexista, mas que para a Federação Britânica de Ciclismo (BC) tem razão de ser apenas face aos regulamentos internacionais. É que esta instituição decidiu não renovar a licença de uma equipa feminina. Mas não é uma equipa qualquer. Trata-se da ‘Porn Pedallers Cycling Club’ (PPCC).

Como o próprio nome sugere, é uma formação composta por conhecidas atrizes da indústria de filmes para adultos. A federação britânica refugia-se num artigo do regulamento da União Ciclista Internacional (UCI), que refere que nenhuma equipa pode ser patrocinada por uma marca que possa prejudicar a imagem da organização e da modalidade em geral.

Ora, o movimento PPCC não tardou a reagir e fê-lo através das redes sociais: “O ciclismo é para todos, exceto para gente como nós. Somos um clube de ciclismo, andamos de bicicleta por diversão e recolhemos fundos para a associação Terrence Higgins Trust [apoio a vítimas com HIV]. Isto está justificado”, foi esta a mensagem que deixou.

A ‘Porn Pedallers Cycling Club’ foi fundada em Londres em 2016 e integra atores, atrizes, produtores e distribuidores envolvidos na indústria pornográfica, que por amor ao ciclismo decidiram formar uma equipa.

Apoio de ilustres

A ‘Porn Pedallers Cycling Club’ já recebeu, de resto, o apoio de várias figuras destacadas do ciclismo britânico, entre elas o detentor do título na Volta a França, Geraint Thomas.

Chris Hoy (várias vezes campeão olímpico na pista) e Lyuke Rowe, ciclista da Sky, também prestaram o seu apoio à causa da inovadora equipa de ciclismo feminina britânica, que sai agora do anonimato para ser notícia em todo o lado.”

fonte  |  www.record.pt

“Pedalar Sem Idade”

Informativo

Este é daqueles projetos que vale a pena difundir, apoiar e fazer crescer, não só no Porto mas em todas as cidades, daqui ou de qualquer outro país… e não, não é apenas porque é um projecto de bicicletas, mas sim, porque é um projeto de pessoas para pessoas, para trazer um alento especial aos dias dos beneficiários da iniciativa.

A sociedade precisa de ideias boas como esta…

cache_780x1200_analog_medium_25571667_2290600_08022019020004

foto  |  José Coelho – LUSA

O projeto “Pedalar Sem Idade”, que tem como lema “o direito ao vento nos cabelos”, já proporcionou a 180 idosos e crianças com necessidades educativas especiais um passeio “sem pressas” numa bicicleta adaptada pelo Parque da Cidade do Porto.

A ideia de implementar o “Pedalar Sem Idade” na cidade do Porto partiu de Sílvia Freitas, a atual coordenadora do projeto, que depois de ouvir Ole Kassow, fundador do “Cycling Without Age” na Dinamarca, não hesitou em juntar os colegas do Rotary Club Porto Portucale e dar início à “luta pelo direito ao vento nos cabelos”.

Sílvia ambicionava tirar os idosos dos lares, levá-los para a rua e mostrar-lhes que ainda pertencem à cidade onde cresceram, trabalharam e viveram. Assim o fez. Em conjunto com a equipa do Rotary, mobilizou esforços e conseguiu, em novembro de 2018, levar a bicicleta adaptada para o Porto.

Desde então, a “ventoleta”, como a apelidam, e que transporta dois passageiros por viagem, já conseguiu transformar os passeios e romper com a rotina de 180 passageiros, desde idosos a crianças com necessidades educativas especiais.

“A bicicleta não tem a carga negativa que tem uma cadeira de rodas. Quando vamos passear em bicicleta, as pessoas acreditam que há mais vida para além da casa onde estão isoladas ou do lar onde estão institucionalizadas”, contou, em entrevista à Lusa, Sílvia Freitas.

Cada viagem demora em média 45 minutos “sem pressas” e parte do Edifício Transparente para um passeio à beira mar ou junto à natureza do Parque da Cidade. Sempre que necessário, a bicicleta para, quer seja para falar com surfistas e pescadores quer para dar comida aos patos.

A este projeto, que proporciona “a liberdade que vem da infância”, já se associaram oito instituições e 12 pilotos voluntários, sendo o mais velho Manuel Jerónimo, que, com 78 anos, passeia todas as quintas-feiras durante duas horas.

“Isto também demonstra o impacto do projeto nos pilotos. Se calhar é um bocadinho descurado o efeito positivo e de bem-estar que tem neles”, frisou a coordenadora.

Ana Rodrigues e Cândida Bessa decidiram passar a tarde à boleia da “ventoleta”. Se para Cândida o passeio não era novidade, para Ana foi fundamental para perceber o quanto toda a equipa se esforça a “pôr os outros a sorrir e proporcionar-lhes experiências diferentes”.

“Gostei muito do convívio, de falar com o guia, sobre a vida dele, o que o levou a aceitar este voluntariado e, no fundo, conhecer outras vidas. Acho isso muito importante”, afirmou.

Também Maria da Luz e Jorge Tavares, que partilharam uma “ventoleta”, consideraram o projeto uma “ideia muito bem pensada”, ao proporcionar um “misto de mar, verdura, animais e natureza”, afirmando em consonância e, sem hesitações, que voltariam a repetir a viagem.

Foi também sem hesitações que Sílvia confessou à Lusa, o quanto gostava que a cidade reunisse “mais condições” para pedalar. Queria conseguir entrar nos lares com a bicicleta vazia e sair com ela carregada de “gente a sorrir”, tal como acontece noutros países, como na Dinamarca, onde existem cerca de 600 bicicletas em funcionamento.

“Numa cidade como a do Porto, em que o fenómeno do envelhecimento é particularmente expressivo, esta missão é ainda mais importante”, frisou.

Neste momento, a equipa que lidera o projeto encontra-se, juntamente com a Domus Social, à procura de “novos percursos” perto dos 16 bairros sociais da cidade, onde, segundo Sílvia “há 2500 idosos em situação de isolamento”.

“Quando conheci o fundador ele disse-me algo que nunca mais me esqueci: imagina-te velha, numa casa que não conheces, com pessoas que não conheces e com as quais não podes partilhar algo em comum da tua vida”, recordou, acrescentando que apesar do trabalho de sinalização e mapeamento de idosos que estão em situações de isolamento no Porto ter sido feito, “faltam ações que possam dar uma resposta de integração eficiente”.

fonte  |  jornal de notícias

CLARA, o colete luminoso

Informativo

clara-il-gilet-luminoso-per-i-ciclisti_3

Concebido para contribuir para o aumento da segurança na estrada, quer a ciclistas ou outros desportistas, o colete CLARA, criado em material refletor, integra ainda iluminação led, permitindo que sejamos “mais visíveis” aos olhos dos condutores.

Através de um dispositivo acoplado no guiador podemos dar indicação do sentido da marcha que se pretende tomar ou, em alternativa, manter a iluminação em modo “fixo”.

Para uma melhor percepção do que falo o melhor é visionar o, engraçado, vídeo promocional

 

fonte  | claraswisstech.com

App`s para ciclismo

Informativo

Num mundo cada vez mais tecnológico o smartphone é um companheiro inseparável na pratica desportiva e de lazer. Atentas a esta realidade, as marcas, promovem as mais variadas aplicações para que tudo fique registado e mapeado e até existem aquelas que dão conselhos de mecânica.

Aqui ficam as melhores… haja espaço no telefone para tal!

le-migliori-app-per-i-ciclisti_1

1. Strava: Run, Ride, Swim by Strava IncDownload: iOS / Android – 2. Cyclemeter Cycling Running GPS by Abivio Inc. Download: iOS Android – 3. Bikemap Map for Cycling by Bikemap GmbH Download: iOS / Android – 4. Komoot Cycling & Hiking Maps by komoot GmbH Download: iOS / Android – 5. Runtastic Road Bike GPS by runtastic GmbHDownload: iOS / Android – 6. Runtastic Mountain Bike GPS by runtastic GmbH Download: iOS / Android – 7. Relive: Your Outdoor 3D Videos by Relive B.V. Download: iOS / Android – 8. Ride with GPS Bike Computer by Ride with GPS LLC Download: iOS / Android.

le-migliori-app-per-i-ciclisti_2

9. Naviki Bike Navigation by beemo GmbH Download: iOS / Android – 10. B.iCycle GPS cyling computer by Valley Development GmbH Download: iOS – 11. Map My Ride by Under Armour by Under Armour Inc. Download: iOS / Android – 12. GPS Cycle Computer lite by AppAnnex LLC Download: iOS – 13. TrainerRoad  by Trainer Road LLCDownload: iOS Android – 14. FITIV Ride GPS Route Tracker by MotiFIT Fitness IncDownload: iOS  – 15. TrainingPeaks by Peaksware LLC Download: iOS / Android – 16.CycleMap by Ratomic Lab Inc Download: iOS .

le-migliori-app-per-i-ciclisti-3_by_urbancycling-it

17. Bike Computer GPS Tracker by Bike Computer Co. Download: iOS / Android – 18. Wahoo Fitness by  Wahoo Fitness LLC Download: iOS / Android – 19. BioLogic BikeBrain GPS bike and cycle computer by Mobility Inc. Download: iOS – 20. Map My Tracks by Tinderhouse Limited Download: iOS / Android – 21. Garmin Connect by Garmin Ltd.Download: iOS / Android – 22. Migo Find & Book Your Ride by Migo Inc. Download: iOS – 23. ViewRanger by Augmentra Ltd. Download: iOS / Android – 24. CycleComputer by Modevsoft Download: iOS .

le-migliori-app-per-i-ciclisti-4_by_urbancycling-it

25. Bike Citizens by Bike Citizens Mobile Solutions GmbH Download: iOS / Android – 26. MAPS.ME Offline Map & Nav by My.com B.V. Download: iOS / Android – 27. Maps 3D Outdoor GPS by movingworld GmbH Download: iOS – 28. Gaia GPS by Trailbehind, INC. Download: iOS / Android – 29. Bike Doctor Easy bike repair and maintenance by Andreas Kambanis Download: iOS / Android – 30. Bike Repair by Atomic Softwares Download: iOS / Android – 31. SizeMyBike by F.R. Chalaoux Download: iOS – 32. Bike Gear Calculator by MatixSoft Inc. Download: iOS .

fonte  |  urbancycling.it