PR3 – Vale de Aveloso – Cinfães

Caminhadas

Com o “acampamento base” a poucos quilómetros de um património natural de elevada beleza, seria um crime não aproveitar essa oportunidade para passear em tais cenários, regressamos então ao concelho de Cinfães para calcorrear o quinto percurso por estas terras.

O percurso pedestre do Vale de Aveloso é um percurso circular, em forma de oito, muito bem sinalizado, com início e fim na junta de freguesia de Tendais. Um trilho de 11 Km e um grau de dificuldade moderado. Um percurso marcado pela existência de muita água,  de vertentes acentuadas, de caminhos alagados, de campos ensopados, onde fintar estes obstáculos poderá não ser tarefa fácil, principalmente, na época das chuvas.

A Freguesia de Tendais é composta por 15 lugares habitados, não existindo enquanto povoação, correspondendo apenas a uma designação que congrega todas as aldeias.  A origem do topónimo “Tendais”, segundo a lenda, teria a ver com grupos de tendeiros que há muitos anos atrás acampariam nesta região.

Depois desta breve introdução vamos meter pés ao caminho…

Com estacionamento contíguo à Igreja aparcamos aí a viatura e seguimos até à Junta de Freguesia onde se inicia o percurso. Daí começamos logo da melhor forma, em ascendente.

28056835_10213238637113344_8860970774266381583_n

Depois de fazer o atravessamento da estrada N321, seguimos por uma área rural até à aldeia de Macieira.

28277297_10213238636513329_2191633270234650431_n28166510_10213238643833512_2656430201622841937_n28167919_10213238637393351_5466106560646675178_n28055833_10213238635513304_7465219821333950686_n

Por calçadas antigas e caminhos murados seguimos até a ribeira de Covais, o seu atravessamento não foi problemático, no entanto, em dias de chuva poderá não ser fácil, quer pelo caudal da ribeira, quer pelo facto de o atravessamento ser efectuado saltando de pedra em pedra.

A região é essencialmente rural e os seus habitantes, ainda hoje, se dedicam na sua maioria a actividades agrícolas e pecuárias, com especial destaque para a criação de gado bovino (raça arouquesa), bem como ovelhas e cabras.

28167891_10213238638833387_6705439285331223726_n

Os rios correm para o mar e as águas dos montes correm para os rios e ribeiras, logo, este caminho paralelo à ribeira tornou-se numa verdadeira aventura para transpor sem molhar as meias!!!

28056707_10213238640233422_249217950316774952_n

Um pouco adiante, o caminho oferece dupla possibilidade de seguir em direcção a Aveloso, nós optamos por seguir pela direita, a meu ver o melhor caminho, tendo em conta que o regresso foi feito pelo caminho da esquerda que nos pareceu mais irregular e ainda mais inclinado do que aquele que foi a nossa opção.

28058977_10213238640193421_5115190191487713120_n

Chegados a Aveloso, famintos e sequiosos, tratamos de inquirir a primeira pessoa com quem nos deparamos sobre a existência de um café, um tasco, ou algum local para beber… com dificuldade lá fomos encaminhados para as opções disponíveis no local… as fontes da aldeia! Do mal o menos…

28168445_10213238639033392_8929427852062063483_n

Como vem sendo hábito, o repasto fez-se em solo sagrado, sob o sol quente de inverno, com a companhia de um “fiel amigo” que parecia tão faminto quanto nós… e porque estávamos em solo de Deus, seguimos as suas demandas: – Dar de comer a quem tem fome.

28056757_10213238638153370_3545850347604267960_n28056201_10213238643513504_8963623687546140271_n28166880_10213238644313524_32305248868473617_n

Finda a refeição não perdemos muito tempo para voltar a colocar pés ao caminho, uma visita rápida pela aldeia, deu para comprovar aquilo que saltava à vista… esta é seguramente a aldeia mais empobrecida por onde passamos, num isolamento ainda maior que qualquer das outras aldeias por aqui visitadas!!!

28276708_10213238636313324_8564517947729354182_n28055803_10213238633993266_8268458480866508819_n28276550_10213238634073268_1481411063137693179_n

A descer todos os santos ajudam e por isso não foi difícil regressar novamente ao “cruzamento do oito”. Daí seguimos a direito até à aldeia de Meridões, pelo caminho duas pausas, uma para falar com o pastor de um pequeno rebanho, que à nossa abordagem nos acolheu num sorriso franco. Ali, a quilómetros de distância da povoação onde reside, só ele, só mas não sozinho… e todo um mar de verde, os seus animais e o cantos de aves.

28166932_10213238716235322_6532451419789094682_n28276619_10213238642593481_3615458716217887107_n28058895_10213238638753385_9060592363713911995_n

Adiante, uma outra figura, mulher de estatura baixa, gasta pela passagem dos anos e pela dureza da terra, à nossa saudação, o mesmo sorriso do pastor, aberto, de felicidade como a convidar a “duas de letra”. Assim fizemos e ambos ganhamos com a conversa.

28279218_10213238640793436_4720211388787501988_n

Atravessamos o coração da aldeia e prosseguimos em direcção a Tendais. Descemos, uma vez mais, até ao nível da ribeira para vencer de seguida o último ascendente do dia.

28059419_10213238640353425_9129711222087924172_n

28377852_10213238639513404_5148342523771041430_n28056095_10213238644433527_2141028617749700853_n

Desta margem é possível observar com clareza a forma engenhosa, os socalcos, como as populações venceram os desníveis acentuados das vertentes da serra adaptando-os para a agricultura.

28056682_10213238639553405_2558394189617968582_n28167925_10213238635353300_3365703172903789362_n

Guiados pela torre sineira dirigimo-nos até à Igreja local onde terminamos mais uma viagem fantástica…. 

28379666_10213238634033267_7730895987455848871_n

… Boas caminhadas.

Anúncios

2 thoughts on “PR3 – Vale de Aveloso – Cinfães

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s